campanha 160 anos o livro dos espiritos seloParis segunda metade do século 19. Estamos na cidade das luzes e capital intelectual da Europa. Caminhamos em direção a Rua dos Martyrs n.08 . Vamos encontrar um singelo apartamento no segundo andar. No gabinete, o professor Hippolyte Leon Denizard Rivail, assistido e amparado de perto pela esposa, a doce Amelie Boudet, trabalha incessantemente num projeto libertador. Meses antes numa reunião mediúnica experimental na Rua Tiquetonne, havia recebido a advertência. “ Quanto a ti , Rivail, a tua missão aí está: és obreiro que reconstrói o que foi demolido.”
O legado de amor do Cristo Jesus, já havia deitado raízes em corações sequiosos de justiça e verdade na velha Palestina.Em verdadeiro Renascimento, ganhava novo fôlego agora por determinadas mãos de operoso servidor. Para ele também foi dito pelo próprio Jesus, ou o Espírito da Verdade, que o nobre pedagogo reúnia virtudes que precisariam ser exercitadas na árdua tarefa. O mestre recomendou ao discípulo uma série de cuidados e qualidades: humildade, modéstia, desinteresse, coragem, perseverança, devotamento, abnegação, firmeza inabalável, prudência e tato, para não comprometer o sucesso com atos ou palavras intempestivas.
No dia 18 de Abril de 1857 , ele lançava o pilar da monumental obra .A codificação da Doutrina Espírita rasgava o véu da incredulidade, do sobrenatural e da ignorância. Inspirado e acompanhado por uma “nuvem de testemunhas”, espíritos dedicados ao BEM, que ensinavam a reedição das máximas morais do Cristianismo Primeiro, acrescidas de lógica científica e profundidade filosófica.
Kardec não só entreveu a Verdade como conseguiu alcança-la inteira.
Obrigada Kardec. Hoje aos 160 anos de lançamento do Livro dos Espíritos, nos lembramos de ti e do teu legado.
A Humanidade já sabe de um novo porvir.
Todos temos o consolo da nossa filiação divina.
Da existência de um Pai amoroso e Sábio, que nos ama
Indistintamente.
Fazemos parte de uma família universal.
Nosso destino a felicidade. E que para a caminhada , o augusto convite está posto:
“Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar. Esta é a lei “.